Pages

Não existe amor gay

O que incomoda tanto no amor gay?
Eu acho que a humanidade avança, aos trancos e barrancos e com a exceção do mundo islâmico, mas avança. Já acreditamos que as mulheres eram menos iguais; acreditamos que os negros eram tão menos iguais que a gente podia até colocar para trabalhar como escravos, aliás, sendo escravos, e tudo bem, afinal, era para ser assim mesmo. Isso mudou, acredito. 

Hoje restam algumas poucas demonstrações desse nível de barbárie, que são o fato de o cigarro ser ainda permitido, de haver pena de morte em alguns países bárbaros, e de ainda haver discriminação contra os gays. Torcer pro Inter deveria estar na mesma categoria, mas alguém esqueceu de colocar isso na Constituição de 1988, e então ficou assim, liberado. 

O cigarro está por um detalhe, já vai. A pena de morte, no Brasil, é tão proibida que nem pode ser reinventada. Ponto para nós. A odiosa discriminação contra os gays permanece. Hora de repensar e mudar isso, para que toda a sociedade fique um tanto melhor. 

Não podemos seguir discriminando a forma pela qual os gays decidirem expressar o seu amor porque não existe amor gay. Existe amor. Amor é igual pra todo mundo. Na falta dele, todos pensamos seriamente em ouvir música de fossa, tomar xampu, comer gilete, ser dramático em nossa dor. Na presença dele, todos sentimos que o mundo se torna um lugar mais parecido com um pêssego e menos com um abacaxi. Todos ficamos mais bonitos e com a pele mais lisa. Todos sentimos que alguém, ao menos, em todos os seis bilhões de habitantes do planeta e que não é a nossa mãe, sinceramente nos adora e nos acha o máximo. O amor é o que nos faz sair da cama sem apanhar do dia lá fora e nos torna seres humanos mais humanos. Ele não é gay, porque é igual para todos. 

Então por que tornar a expressão do amor, igual para todos, diferente para uns? 

Não é possível e precisamos nós, heteros, dizer que chega dessa palhaçada. Que se o amor que a gente sente por quem a gente ama é a melhor coisa do mundo, depois de dulce de crema de leche da Conaprole, todos têm o mesmo direito de se lambuzar com esse doce de leite metafórico, todos temos. E de afirmar isso publicamente, da maneira que acharmos melhor, inclusive casando. 

Claro que um ser dotado de muita fé em uma leitura da Bíblia e nenhuma fé no que diria Jesus Cristo, por exemplo, pode argumentar que a sua religião é contra o casamento gay. 

Muito bem, que acredite nisso e não case com um gay, se não sentir vontade. Mas também acho que esse ser deve colocar o cavalinho na chuva e não se meter com o que não entende. Com o amor dos outros, por exemplo. 

Mas, se qualquer um pode alegar que viu Deus em pessoa e barbas brancas baixar de uma montanha pra garantir que casamento gay não pode, eu, desde a minha luxuosa laje em Pinheiros - um lugar alto e muito próximo do céu -, posso então afirmar que ontem mesmo um anjo, ou algo muito parecido, porque quando eu bebo cachaça de Salinas tudo e todos parecem anjos, veio até mim pra me dizer que agora pode. Que tudo tinha sido um grande engano, um erro de tradução do aramaico antigo e mal-humorado da bíblia, que nenhum santo de grande porte tinha absolutamente nada contra os gays, e como poderiam ter? "Amem-se uns aos outros", disse o anjo. "A gente quer ver todo mundo se amando, já", disse o anjo, que ainda aproveitou pra informar: "e não esperem o Brasil ganhar em 2010, porque não vai rolar. Também, com o Dunga, né". E sumiu numa nuvenzinha, assim. 

"Não quer deixar a mensagem em vídeo?", eu ainda tentei perguntar. "Tem gente que só acredita vendo!", mas o anjo já ia longe e achei melhor ir buscar outra dose de Salinas. Pronto. Argumento místico contra argumento místico, sou mais o meu - além do fato de que, sim, o estado e a igreja são coisas separadas no nosso país, e portanto, se teses religiosas são muito legais e interessantes pra quem acredita nelas, ninguém mais tem nada a ver com isso. 

Quando criaram o divórcio no Brasil, a igreja católica, em mais uma demonstração de estar em harmonia com a nossa época e nossas vidas, foi contra e disse que seria um inverno nuclear se passassem essa lei do demônio. Alguém aí viu o mundo terminando? E, além do Chevette Hatch, alguém viu alguma outra demonstração da presença do capeta sobre a Terra? 

Os tempos são assim, eles passam, e às vezes, avançam. 

Agora, está mais do que na hora de a gente corrigir mais essa distorção. A lei a favor do casamento gay já vai vir, e cabe a nós, tão simplesmente apoiar. E não são os gays que agradecem, porque quando se corrige uma injustiça não fazemos nenhum favor, a ninguém. A liberdade é um bem para todos, e é uma vergonha viver sabendo que existe tanta gente oprimida pela estupidez de alguns. Faça a sua parte e, quando a lei vier, apóie. Tão fácil, tão simples, tão indolor. É fácil fazer a coisa certa. Quando ela vier, não faça nada, deixe, e pronto! O anjinho, ali desde onde ele vive, agradece."



4 Comments:

Runaway escreveu...

Maravilhoso Paula! Adorei as imagens escolhidas por você para o texto, muito legal!

Paula escreveu...

Oi Runaway!

Sem esquecer que o texto é muito bom também.

Obrigada pela visita.

beijão! =)

RICARDO AGUIEIRAS escreveu...

Oi, Paula!
em primeiro lugar, minhas desculpas imensas por só hoje dar uma passadinha aqui. Primeiro, estava muito ocupado com o meu trio dos gays idosos na Parada. Depois, fiquei bastante deprimido por que justamente a mídia gay e os portais gays não noticiaram nada sobre.
Vamos lá:
Apesar de entender as boas intenções do texto deste post, eu discordo um tanto.
Em primeiro lugar, há pena de morte no Brasil, sim, apenas ela não está na Constituição. Mas está nas ruas e o Brasil é o país que mais mata gays no mundo, um triste e trágico recorde comprovado pela ONU e pela Anistia Internacional. Portanto, é hipocrisia falar que não temos pena de morte para os gays, pois é o que justamente...temos. Gays e LGBT's são mortos , aqui, não por outro motivo senão por exclusivamente sua orientação sexual discordante.
Dois, parece-me grande pedantismo e tentativa vã de fazer graça, comparar casamento gay com cigarro. Não sou fumante, mas conheço muitos fumantes legais e que lutam e defendem Direitos Gays e Humanos e conheço muitos não fumantes que são canalhas, vide vários de Brasília , que perpetuam crimes de colarinho branco, motivo de morte de milhares e milhares de cidadãos brasileiros.
Ricardo
aguieiras2002@yahoo.com.br
http://dividindoatubaina.wordpress.com/

Paula escreveu...

Oi Ricardo!

Passei pelo teu blog e li o texto sobre a parada, estou numa correria e não consegui deixar comentário lá ainda, mas o farei logo.

Esse texto é do mesmo jornalista que escreveu o curta "O Branco". Deixa eu explicar e completar algumas coisas.

Também achei a ideia do texto muito interessante, por isso o publiquei aqui, um dia antes do dia dos namorados, para reflexão mesmo. Uso o blog Persiana Aberto, como um espaço de provocações, não acredito na metade das provocações que jogo aqui, mas as deixo exatamente para ao menos plantarem alguma reação em que lê. Daí se existe algum questionamento uso os comentários para discutí-los e algumas vezes dar o meu lado da ideia. O humano é um bicho muito complicado, e ao mesmo tempo melindroso. Particularmente detesto cigarros, não tem nada pior do que sair à rua pela manhã e levar uma baforada na cara. Essa história toda do politicamente correto é uma chatice, concordo. Mas, também sou obrigada a concordar que não é possível deixar o bom senso imperar. As pessoas continuam esbarrando na história "do ser meu direito" e esquecendo da história "de que é meu direito também", e como fica? Também conheço pessoas fantásticas que fumam, mas não consigo ficar a menos de metro delas, o cheio enjoa, e aí não exista amizade que ajude. No caso da pena de morte, entendi o que ele diz como não existe legalmente instituída, como em alguns lugares do mundo. Mas o que você disse sobre a morte de gays é verídica e ocorre em índices bem parecidos aos de países totalmente não simpatizantes. Mas, gostaria de ampliar a questão. No nosso país não são apenas os gays que sofrem com a pena de morte velada, qualquer um que lute contra os interesses de "poderosos", ou ainda pior, a pobreza. Quantos "índios" nossa sociedade não tem matado pelo simples fato de ser pobre e estarem na ruas? Vivemos uma crise social muito séria, e infelizmente fechamos os olhos para ela e muitas vezes não queremos ver. Ser mulher, nordestina, negra e analfabeta no Brasil e não existir de fato.

Agora vou lá no seu blog comentar por lá.

Beijão =)

Related Posts with Thumbnails

Minha Lista de Blogs

Arquivo

Marcadores

Arte Homoerótica (46) Céu e Terra (68) Conceitos (359) Desabafo (82) Desejo (157) Gente (202) Lado Aninal (226) Nu e Cru (1226) Para você (206) Pop (160) Pré-História (26) Tecnologia (229) Verso e Prosa (279)